Instituto Incanto fica localizado no bairro Santa Quitéria, em Curitiba, e tem nas novas tecnologias uma das ferramentas para promover a transformação social

Todos podem programar, bastam ter oportunidades. Esse certamente é o pensamento que define a iniciativa das soluções educacionais Inventura e micro:bit ao realizar a doação de placas programáveis

que vão ajudar a formar os 200 jovens atendidos pelo Incanto – Instituto de Cultura, Arte e Novas Tecnologias.

A iniciativa aconteceu como fechamento da ação realizada pelas duas soluções da Tecnologia Educacional batizada como “EstroGênias – meninas na ciência”, que teve início no dia 11 de fevereiro, Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência.

REVEJA A LIVE QUE REUNIU 3 DAS CIENTISTAS BRASILEIRAS MAIS RENOMADAS DO MUNDO

“Entendemos que o incentivo das meninas em carreiras nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (STEM em inglês) passa pelo acesso a soluções tecnológicas que possibilitem a elas se desenvolver da mesma maneira que os meninos”, destacou  Luis Furtado, gerente de projetos da Tecnologia Educacional responsável pelo micro:bit.

Por isso, uma das etapas da iniciativa era justamente beneficiar uma organização não governamental que atendesse jovens em situação de vulnerabilidade social permitindo que eles se desenvolvessem de maneira alinhada ao mundo em que vivem e isso incluía também o compromisso na formação de meninas na programação.

LEIA TAMBÉM MENINAS NO APRENDIZADO STEM: PESQUISA REVELA A NECESSIDADE E INCENTIVÁ-LAS NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS

“Foi assim que nos conectamos com o Incanto e fizemos juntamente com a entrega dos micro:bits uma aula experimental para uma turma exclusivamente de meninas”, acrescentou Furtado. O resultado foi surpreendente: as garotas que nunca haviam sequer ouvido falar em programação, desenvolveram um projeto do zero e se animaram com as possibilidades das próximas aulas.

“Eu não fazia a mínima ideia do que era programação, até achei que tinha alguma relação com tecnologia, mas para mim era uma coisa de outro mundo, muito difícil e distante da minha realidade. Não achei que com uma placa tão pequena eu pudesse criar coisas, achei demais!”, contou animada Isabela Camargo de Lacerda Souza de 13 anos.

A partir de agora, além das meninas, os meninos atendidos pelo Incanto terão na área de novas tecnologias, o apoio do micro:bit para colocar em prática seus projetos e se preparem para o mercado de trabalho.

Nos próximos 20 anos, cerca de 150 profissões tem mais de 90% de chance de serem extintas e quem não for substituído por um robô, irá trabalhar com um.

“Sabemos que as tecnologias já são o presente, entretanto num futuro muito próximo elas serão também uma essenciais, assim como o inglês. Por este motivo, jovens que estão inseridos numa realidade educacional distante destas tecnologias ficam à margem de melhores oportunidades profissionais’”, enfatizou Helinton Marques, gerente de operações responsável pelo Inventura.

TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS AJUDAM A PROMOVER DESENVOLVIMENTO DOS ALUNOS PARA O NOVO MUNDO

Desenvolvido em Londres, o micro:bit tem revolucionado a forma de ensinar e aprender programação. Uma pesquisa realizada com as estudantes do sexo feminino mostrou que, após utilizarem o micro:bit, 45% das participantes escolheriam definitivamente a computação como carreira. 86% dos alunos disseram que a ciência da computação ficou mais interessante e 88% disseram que programar não é tão difícil quanto pensavam.

O micro:bit é um hardware baseado em uma pequena placa programável que inspira a criatividade digital, ensina programação do básico ao avançado e possibilita infinitas ideias. Utilizado em 60 países por mais de 20 milhões de alunos, a solução promove o  ensino da programação, robótica e cultura maker dentro das instituições de ensino de um jeito descontraído.

Já o Inventura é um programa completo de Educação 4.0 que utiliza a programação como base para explorar todas as matérias. Com livros interativos e individuais ele pode ser utilizado em qualquer lugar, em casa ou na escola, ideal para o momento que vivemos. O Inventura vem com um  micro:bit e é com ele que os alunos dão vida aos seus projetos e criações e descobrem como é programar de verdade.

Assista como foi a aula experimental durante a entrega das soluções no Incanto.

ESTROGÊNIAS – MENINAS NA CIÊNCIA

As meninas podem e devem ter os mesmos incentivos para se desenvolver nas áreas das Ciências, Exatas, Tecnologias e Matemática (STEM em inglês), mas na prática isso ainda está longe de ser uma realidade. Por isso, reforçando seu compromisso com a educação para todos e todas, a Tecologia Educacional lançou a iniciativa “EstroGênias: meninas na Ciência” que de, 11 de fevereiro a 8 de março, promoveu desafios, debateu o assunto e trouxe sugestões de como as instituições de ensino podem promover uma educação em STEM de forma a reduzir as disparidades de gênero.

CONFIRA OS DESAFIOS DE PROGRAMAÇÃO REALIZADOS PELAS INFLUENCERS CONVIDADAS DA CAMPANHA

Aliás, dois dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU possuem metas específicas para que os países aumentem o acesso à educação e às tecnologias de STEM.

Os dias escolhidos para início e término da campanha não foram aleatórios. Desde 2015, a partir de uma iniciativa da UNESCO e ONU, comemora-se o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência em 11 de fevereiro. A data é um marco para a promoção da igualdade de direitos entre homens e mulheres em todos os níveis do sistema educacional, sobretudo nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM).

Já o 8 de março, Dia Internacional das Mulheres, também traz o diálogo sobre a importância de promover a equidade entre homens e mulheres. A campanha impactou mais de meio milhão de pessoas e vai continuar abrindo espaços que promovam o debate sobre o assunto. Para ficar informado siga as redes sociais da Tecnologia Educacional no Instagram, Facebook e no LinkedIn.